-

Sabe qual é melhor forma de conservar vinho no frigorífico?

O vinho — branco, tinto e rosé — pode ser guardado no frigorífico sem perder qualidade no sabor, desde que o faça da forma mais correta. Eis o que deve ou não fazer para conservar o vinho antes e depois de aberto.

Na maior parte das casas portuguesas, um copo de vinho acompanha sempre as refeições principais. Um bom tinto para a carne, um branco fresco para o peixe e rosé para as ocasiões especiais. É assim ou não é?

Então, o que devemos fazer quando não se bebeu a garrafa toda? É perfeitamente possível conservá-la no frigorífico sem que o vinho perca as suas propriedades de sabor e aroma que o definem. Sabia que os tintos não têm necessariamente de ser servidos à temperatura ambiente? De facto, qual será a temperatura ideal para cada tipo de vinho?

Cada vez mais se aposta em vinhos de qualidade superior, pelo que conhecer a melhor forma de os conservar é importante, partindo do princípio de que não é o sortudo possuidor de uma cave de vinhos. Vamos esclarecer o que deve — e o que não — fazer com a garrafa depois de a abrir e qual a temperatura ideal a que deve ser consumido.

 

Vinho no frigorífico: o que deve fazer (e o que não)

A maior parte dos vinhos não deve ser armazenada no frigorífico a longo prazo. Dito isto, se pretende arrefecer um pouco antes de saborear um copo ou se até já tem uma garrafa aberta, aqui estão alguns bons hábitos sobre este tema que deve ter.

Armazene garrafas com rolha de cortiça horizontalmente

Se a sua garrafa tiver uma rolha de cortiça é recomendado que a mantenha deitada no frigorífico. Desta forma irá manter a rolha húmida e evitar a infiltração e o envelhecimento do vinho. Alguns modelos de frigorífico incluem prateleiras para este fim.

Mantenha o vinho aberto na vertical com um selo hermético

Depois de abrir uma garrafa não tem necessariamente de a beber até ao fim — pode guardar o que sobrar. Pode adquirir tampas que funcionam como rolhas — aliás, como selos herméticos — e deixar a garrafa no frigorífico. Aguentará durante 3 a 5 dias.

Mantenha os vinhos tintos abertos

Uma das razões pelas quais as garrafas de vinho abertas devem estar no frigorífico é que as baixas temperaturas diminuem a oxidação, o que significa que o vinho irá permanecer em boas condições durante mais tempo. Isto aplica-se para o vinho tinto também.

Aliás, alguns vinhos tintos até ficam melhor se repousarem depois de abertos no frigorífico durante algum tempo.

Não guarde o vinho na parte superior do frigorífico

Tudo depende do modelo do frigorífico, mas, regra geral, os frigoríficos registam uma temperatura muito ligeiramente mais elevada na parte superior e o contrário na parte inferior. Principalmente se estiver bastante cheio. O vinho deve ser mantido no meio ou na parte inferior do frigorífico, longe da luz.

Não guarde o vinho na porta do frigorífico

O vinho deve permanecer repousado e com o mínimo de movimento possível. Uma vez que, em princípio, abrimos a porta do frigorífico algumas vezes por dia, esse não será o local ideal para o armazenar e estará a acelerar o seu envelhecimento.

 

Dicas para desfrutar do vinho no seu melhor

Qual a temperatura ideal para apreciar o vinho no seu melhor? Esta questão é deveras importante. Há quem parte do pressuposto que todos os brancos devem ser servidos frescos e todos os tintos à temperatura ambiente, o que não é verdade.

A maioria dos vinhos tintos não deve ser servida à temperatura ambiente, especialmente durante os meses de verão. Pode colocar e manter o vinho tinto no frigorífico e retirá-lo 20 minutos antes de servir para permitir que aqueça um pouco. Arrefecê-los contribui para acentuar o seu sabor — salvo raras exceções.

Alguns vinhos modernos de supermercados são compostos com com maior teor de açúcar, o que pode diminuir o seu sabor. Para impedir que isso seja avassalador, refrigere-o durante algum tempo antes de servir.

Alguns brancos são servidos demasiado frios, o que também não contribui para terem o melhor sabor possível. Há, aliás, muitas notas no sabor que se perdem dessa forma. Pelo que deve ter o cuidado de não resfriar em demasia — exceção feita aos vinhos com aromas muito intensos, como os rosés.

O certo é que esta bebida nunca deve ser conservada a longo prazo, mesmo que dentro do frigorífico, mas não há problema se o fizer durante algum tempo. O ideal é que teste e prove com diversas temperaturas e perceba o que resulta melhor para si — afinal, gostos não se discutem.

 

Qual a temperatura ideal de cada vinho?

Para começar, use estes valores* como guia aproximado e, mais tarde, ajuste conforme as suas preferências.

Vinho tinto
Jovem: 11º a 14º C
Encorporado: 15º a 17º C
Reserva: 16º a 18º C

Vinho branco
Leve e doce: 6º a 8º C
Jovem, meio-seco, leve, doce, encorpado: 7º a 10º C
Encorpado: 10º a 12º C

Vinho rosé: 7º a 10º C

Vinho espumante
Doce: 6º a 9º C
Bruto: 6º a 12º C

Vinho do Porto
Branco (servido fresco): 6º a 7º C
Branco: 8º a 12º C
Tawny: 12º a 16º C
Vintage: 16º a 18º C

Vinho generoso
Madeira: 10º a 14º C
Moscatel: 12º a 14º C

*fonte: https://clubedevinhos.com

[sc name=”assina”]