-

Fornos com autolimpeza: um sonho tornado realidade

Um forno que se limpa a si mesmo parece um sonho tornado realidade. Mas já pode acordar e alegrar-se, é mesmo possível. Há até dois sistemas de autolimpeza: catalítico ou pirolítico. É só escolher.

Estimar os eletrodomésticos é fundamental para que estes durem mais tempo. Um forno é, normalmente, um investimento considerável, pelo que a sua manutenção deve ser atenta e regular, para que usufrua dele durante longos anos. Para isso, a limpeza é muito importante.

Com a pressa do dia-a-dia — e alguma preguiça à mistura — é fácil descurar a limpeza assídua do forno. Se este é o seu caso, há boas notícias: já há diversos modelos que estão equipados com dispositivos de autolimpeza extremamente eficazes.

De facto, durante a preparação de todos os cozinhados do dia-a-dia, a gordura e os vapores atacam o esmalte das paredes e de outros elementos internos do forno, entre os quais os próprios elementos de aquecimento: as resistências.

Para não comprometer as prestações do próprio aparelho — muito menos os cozinhados seguintes —, por motivos de higiene e para evitar o aparecimento de odores desagradáveis, há que o manter limpo.

Por todos esses motivos e mais alguns, o sistema de autolimpeza veio para ajudar quem pretende manter a sua cozinha o mais limpa possível, por dentro e por fora. Há dois sistemas: o catalítico e o pirolítico.

 

Fornos catalíticos

Os fornos catalíticos estão revestidos internamente com placas de esmalte, cuja estrutura porosa não permite a deposição das gorduras evaporadas. Transforma-as, antes, em produtos gasosos de fácil remoção. Para que a limpeza seja realizada com eficácia, o forno aumenta a temperatura de forma a queimar a sujidade, eliminando-a.

Estes painéis internos têm grande capacidade de absorção de gorduras durante a confeção dos alimentos, pelo que a autolimpeza é muito eficaz. No entanto, essas mesmas placas catalisadoras devem ser trocadas de tempos a tempos — depende de cada aparelho, mas, regra geral, recomenda-se a substituição a cada dois ou três anos.

 

Fornos pirolíticos

Os fornos pirolíticos, em aparência, são bastante semelhantes aos fornos convencionais. Diferencia-os a tecnologia de autolimpeza. Ao ativar este sistema, a porta, isolada termicamente, mantém-se bloqueada — todo o procedimento é bastante seguro — e o compartimento interior atinge rapidamente uma temperatura bastante elevada, na ordem dos 500°C.

Estes eletrodomésticos aproveitam a potência do próprio calor. Qualquer gordura e sujidade existente é reduzida — literalmente — a cinzas. Uma vez terminado o processo, basta recolher os resíduos com um pano húmido para retirar os resíduos — este gesto o forno não o faz por si, infelizmente.

Dependendo dos modelos, há fornos que estão equipados com a possibilidade de vários graus de limpeza, uns mais intensos que outros. Quanto maior a intensidade, maior a duração do processo de limpeza.

Deve ter em atenção as recomendações de cada marca no que se refere à frequência do uso do sistema de autolimpeza. Se algumas recomendam a cada dois ou três meses, outras recomendam a cada 10 utilizações, por exemplo. O melhor é conferir no manual de instruções.

 

Conselhos prévios (e não só)

Se está a ponderar adquirir um forno com sistema de autolimpeza, quer seja catalítico ou pirolítico, deve informar-se se a potência elétrica contratada que tem em casa admite um aparelho com estas características. Em princípio não terá problemas nesse aspeto, mas convém verificar.

No caso dos fornos pirolíticos, o processo de autolimpeza em si mesmo pode deixar algum odor na cozinha e fazer algum barulho. Nada que cause incómodo em excesso, porém, aconselhamos a que desimpeça a cozinha e abra as janelas. Deve, ainda, remover os tabuleiros do forno previamente.

Quando a autolimpeza terminar, aguarde algum tempo antes de abrir a porta do forno. Dessa forma garante que quando o fizer, o aparelho já terá arrefecido e pode concluir a limpeza.

Quer escolha um sistema ou outro, o certo é que a limpeza da sua cozinha acabou de se tornar muito mais fácil.

[sc name=”assina”]