Nintendo Switch Lite

Como evoluíram as consolas portáteis até aos dias de hoje?

Nintendo Switch Lite
Nintendo Switch Lite

Quando se trata do mundo dos jogos, existem inúmeras formas de desfrutar dos nossos jogos favoritos. Enquanto uns preferem PCs gaming ou consolas de jogos hardcore, outros optam pelas consolas portáteis. Mas qual é a história das consolas portáteis e porque se tornaram tão famosas?

Quem não se lembra do famoso jogo Snake, do Super Mario ou até do Sonic? É inegável que a indústria das consolas portáteis teve muito sucesso no passado. Vamos conhecer um pouco mais acerca da história das consolas portáteis, e o que isso poderá significar para o futuro de dispositivos de gaming emergentes.

 

Consolas portáteis: passado, presente e futuro

Do Game Boy à PSP ou da PSP Vita à Nintendo Switch Lite, a lista de aparelhos tecnológicos dedicados a tornar os jogos mais práticos não tem fim. Mas existe outra plataforma que se tem assumido como forte concorrente na indústria de jogos portáteis — o smartphone. Vamos conhecer tudo ao pormenor — ready, set, go!

O início da era das consolas portáteis

Em 1979, a maioria das outras empresas ainda vendia dispositivos carregados com um único jogo, incluindo a popular linha Nintendo Game & Watch lançada em 1980.Mas nesse mesmo ano, a Milton-Bradley Microvision tornou-se o primeira consola portátil a apresentar jogos que pudessem ser trocados.

Uma Nintendo Game & Watch (e) e uma Milton-Bradley (d)Microvision

Os pequenos Game & Watch, inovadores na época, foram projetados por Gunpei Yokoi, um engenheiro de manutenção que impressionou o presidente da Nintendo com os seus brinquedos feitos em casa, durante uma visita casual à fábrica em que Yokoi trabalhava.

Yokoi tornou-se assim um dos principais designers da Nintendo, tendo um papel fulcral na transformação da empresa na gigante dos jogos que conhecemos hoje.

Em 1989, o Game Boy de Yokoi foi lançado pela Nintendo. A consola apresentava um ecrã monocromático e tecnologia simples, o que se repercutiu na vida útil da bateria. Jogos como o Super Mario Land e Tetris, que foram grandes sucessos, tornaram o Game Boy um sucesso imediato entre a comunidade, servindo para miúdos e graúdos.

O Game Boy e os seus concorrentes

Outros consolas foram lançadas na mesma época pelos rivais da Nintendo — a Atari e Sega. Tanto as consolas Atari Lynx como a Sega Game Gear eram mais avançadas que o Game Boy, tendo sido desenhadas com gráficos mais poderosos e ecrãs policromáticos.

Nintendo Game Boy, Sega Game Gear, Atari Lynx

No entanto, o desempenho e a energia gasta por estas consolas vinha com um custo — sendo mais volumosas do que o Game Boy e tendo bateria mais fraca, o seu sucesso não se comparou ao famoso Game Boy, que com o seu design, características simples e valor mais acessível permitiu globalizar a consola um pouco por todo o mundo.

A vida útil da bateria destas consolas concorrentes ao Game Boy só se tornou ainda pior com a tecnologia inovadora utilizada pela Game Gear, no sentido de transformar a sua consola numa TV portátil, através de um sintonizador de TV.

Mas o seu sucesso ficou pelo caminho — pelos vistos, o lema “menos é mais” também se adaptou à indústria das consolas nos anos 80.

A afirmação da Nintendo na viragem do século

Com o avanço da tecnologia nos anos 90, as consolas ficaram mais leves e avançadas. A Nintendo finalmente deu o salto para jogos coloridos com o Game Boy Color em 1998, afastando a concorrência, incluindo o SNK Neo Geo Pocket e o Bandai Wonderswan — o último produto projetado por Gunpei Yokoi depois de deixar a Nintendo.

Game Boy Color, Game Boy Advance SP, Game Boy Micro

A Nintendo continuou a lançar novas versões da consola, com o objetivo de melhorar o formato — desde o Game Boy Advance (2001) e o Game Boy Advance SP (2003), com ecrã flip-screen, até ao minúsculo Game Boy Micro (2005), com um ecrã de apenas 5cm.

É por volta desta época que o mercado dos telemóveis se tenta introduzir na indústria dos jogos, com o lançamento do Nokia N-Gage em 2003. Tratou-se de uma tentativa de conjugar um telefone móvel e uma consola de jogos — porém, a bateria do telefone tinha que ser removida para trocar o cartucho do jogo e o layout dos botões dificultou o jogo.

Nokia N-Gage, PlayStation Portable, Nintendo 3DS

A PlayStation Portable e outros desafios para a Nintendo

A Nintendo decidiu finalmente trocar a marca Game Boy pela Nintendo DS, em 2004. O seu duplo ecrã abriu possibilidades para uma forma diferente de jogar — um formato que se manteve em 10 atualizações até os dias atuais. A Nintendo 3DS, lançada em 2011, que permitiu jogos 3D sem óculos e a famosa caneta digital, foi um exemplo de sucesso.

Enquanto isso, a Sony tinha os seus próprios planos de entrar no mercado de portáteis, lançando a PSP (PlayStation Portable) no início de 2005. Com gráficos de alta qualidade e grande apoio de developers de jogos de renome, muitos viram isto como o primeiro desafio para o reinado da Nintendo no mercado das consolas portáteis.
A PSP e a PSP Vita (2011) tiveram algum sucesso, mas por volta de 2008, juntamente com a Nintendo e as suas consolas, enfrentaram a maior mudança no mundo dos jogos portáteis desde que o Game Boy foi lançado, quase 20 anos antes.

Como os telemóveis se apoderaram da indústria das consolas

Em 2007, a Apple lançou o primeiro iPhone e um ano depois abriu a App Store. Isto mudou por completo o modo como as pessoas consumiam jogos — agora era possível fazer download de jogos diretamente para os seus telemóveis.

No ano seguinte, o famoso jogo Angry Birds foi lançado e os jogos para telemóvel começaram a moldar a indústria de gaming portátil. Graças a jogos como o Candy Crush e Pokémon Go, os modelos grátis para jogar e as micro-transações são agora bastante comuns em muitos jogos.

iPhone, Nintendo Switch

Os jogos para smartphone são frequentemente descartados quando comparados com os jogos baseados em consolas “hardcore“, mas a verdade é que em 2018 os jogos para smartphones e tablets representavam 51% da receita global de jogos.

Mas a história não termina aqui para os consolas portáteis. Em 2017, a Nintendo lançou a Nintendo Switch, que veio de novo abalar a indústria de gaming. Uma consola híbrida que se conecta a um ecrã para jogos portátil, mas que também pode ser usada no “modo tablet“, permitindo assim uma maior flexibilidade e comodidade de jogo.

É verdade que os telemóveis vieram abalar a indústria das consolas portáteis. Mas também é um facto que as marcas como a Nintendo ou a PlayStation se souberam reinventar no mercado dos jogos. Com cada vez mais evolução tecnológica, estamos confiantes de que vêm aí muitas novidades para surpreender os fanáticos por jogos.

[sc name=”assina”]