As diferenças entre som stereo, mono e surround

As diferenças entre som stereo, mono e surround

Na altura de adquirir um novo sistema de áudio poderá ser difícil escolher o ideal. Como saber se é aquilo que estavas à espera? Para te ajudar nesse dilema, vamos explicar em que consiste som stereo, mono e surround.

Os sistemas áudio vêm em todos os tamanhos, formas, tecnologias e modas, de entre os quais mono, stereo e surround. Com todas as diferentes designações, números e novos lançamentos é fácil uma pessoa perder-se. Vamos simplificar nesta introdução ao tema.

 

Som mono, stereo e surround

Mono

O som mono é o mais comum na reprodução em auscultadores, através dos quais o som que sai de cada auricular é o mesmo. Isto serve para permitir ouvir de forma completa a música com apenas um auricular colocado.

No que toca a sistemas de som domésticos, com colunas, este sistema já não é usado desde o meio do século passado, com a introdução de gravação em duas e mais faixas, que permitia a criação de jogos de som com as colunas e abrindo caminho para mais tipos de equipamento áudio.

Stereo

Este consiste em dois canais áudio reproduzidos por duas colunas diferentes. Esta é a primeira evolução tecnológica em direção a uma experiência áudio mais imersiva, criando já uma sensação de direcionalidade.

Isto permite aos produtores de música ou filmes fazerem alguns jogos com os canais direito e esquerdo e quais os instrumentos que ficam num e noutro, com sons a transitarem de um lado para o outro.

É ainda a forma mais comum de ouvir áudio hoje em dia em colunas, com a maior parte dos computadores, sistemas de som para TV e outras soluções mais simples a serem constituídas apenas por duas saídas de som.

Surround

O som produzido para sistemas surround contém já pelo menos quatro canais independentes, feitos para serem reproduzidos por pelo menos quatro colunas, colocadas à frente e atrás do ouvinte, com o objetivo de — como o próprio nome indica — rodear o ouvinte com o som, criando uma experiência mais envolvente e acrescentando à direção o elemento de dimensão e distância.

Os quatro canais mínimos para um áudio ser considerado surround já caíram em desuso, tendo surgido nos anos 70 com a popularização do som quad, que usava quatro colunas para reproduzir quatro canais. Hoje em dia, os sistemas mais comuns são capazes de reproduzir cinco ou sete canais independentes com cinco ou sete colunas, mas existem sistemas mais avançados com nove ou 11 canais/colunas.

Os tipos mais comuns são os seguintes:

Som surround 5.1: este é o padrão para muitos filmes e músicas e contém cinco colunas independentes. É constituído por duas colunas stereo, um canal central que fica entre as duas colunas stereo e duas outras colunas stereo também, que criam o efeito surround e que ficam atrás do ouvinte.

O famoso subwoofer, capaz de reproduzir os tons mais graves de um álbum ou de uma banda sonora, acrescenta profundidade e textura ao som e é o .1 a que se refere a designação destes sistemas.

Som surround 6.1: A lógica é a mesma que no sistema 5.1, mas acrescenta ao setup uma segunda coluna central semelhante à que está entre as duas colunas frontais, mas nas colunas da retaguarda, reforçando a sensação surround.

Som surround 7.1: O 7.1 abdica da coluna central traseira do 6.1 e coloca, ao invés disso, colunas nas laterais do ouvinte, distribuindo de forma mais uniforme o som ao redor de quem ouve, tornando esta experiência substancialmente mais envolvente e realista.

 

Esta é uma pequena e simples explicação que pretende introduzir este assunto ao consumidor, para que tome decisões informadas. Dito isto, ainda há muito a explorar sobre este tema, o que poderá acontecer em artigos futuros. Fica atento ao RP Tech.

[sc name=”assina”]